Notícias
Destaque

Seleção feminina e seus próximos passos.

Como está a Seleção Feminina após jogos da Copa Uber? Como será daqui pra frente com a nova treinadora? Confira.

Quer acompanhar mais notícias de Futebol da Seleção Feminina? Acompanhe-nos, também, pelo Twitter.

O Torneio Uber Internacional acabou com o Brasil conquistando o vice-campeonato, neste último fim de semana, e agora é hora de olhar para frente e mirar o futuro da nossa seleção feminina. Após o jogo, que terminou em empate no tempo normal, a técnica Pia Sundhage revelou na entrevista coletiva que encara como normal a derrota nos pênaltis, e que já está focada nas Olimpíadas.

Os Jogos Olímpicos vão acontecer em 2020, no Japão. Porém, antes, a seleção brasileira terá a oportunidade de se preparar jogando com a Inglaterra e a Polônia, na Europa, e disputando um torneio na China. Este período de jogos amistosos será essencial para que as jogadoras possam se ambientar e para que a técnica Pia possa realizar suas renovações e mudanças.

Seleção Feminina - Pia

Pia busca líderes femininas

Segundo Pia Sundhage, na mesma coletiva mencionada, ela pretende estabelecer na equipe duas ou três líderes por posição, para que a equipe saiba se adaptar a todas as situações, mesmo que sejam complicadas ou adversas. Esta fala de Pia justificou as diversas mudanças que realizou no time neste Torneio, mostrando que ela realmente quer experimentar todas as jogadoras e senti-las em campo.

A técnica sueca indicou, na coletiva de imprensa, diversas questões que ela deseja aprimorar na seleção, antes das Olimpíadas. Em suas observações, foram destaques Bia Zaneratto e Ludmila. Enquanto a treinadora assinalou que Bia necessita de completar mais os passos, Ludmila precisa ler melhor a partida. Porém, ambas estas situações serão resolvidas com o tempo.

Ainda, a nova estrutura que Pia deseja construir para a seleção feminina não envolve que ela seja sustentada apenas pelas jogadoras mais experientes, como Formiga e Marta. Como pudemos ver neste Torneio, algumas das jogadoras que são referência no time podem sofrer lesões e ficar de fora, e o Brasil deve saber lidar com estas situações e ter outras líderes em campo.

No que se trata do modo de jogo, Pia insistiu, durante todo o Torneio Internacional, que fossem feitos lançamentos e passes curtos. O objetivo é que o time jogue mais próximo, e em um conjunto fechado.

A visão da seleção feminina

O time teve uma boa visão da atuação da nova treinadora, como puderam expressar nas coletivas. A goleira Aline, que joga pelo Tenerife, foi um destaque no último jogo. De acordo com a jogadora, a nova mentalidade da equipe tem sido de evolução e aprendizado. Por isso, caso continue desta forma, o Brasil chegará forte e preparado para Tóquio 2020. Ainda, segundo Aline, Pia tem a bagagem necessária para passar para o Brasil, proporcionando que o time aprenda com outras seleções estrangeiras.

Já Formiga, uma das grandes referências do time, disse que consegue ver lá na frente um time competitivo e com grande crescimento. A jogadora também mencionou que a seleção brasileira está conseguindo entender bem a filosofia de Pia.

Seleção Feminina - Pia

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo