Futebol BrasileiroFutebol Internacional

Árbitro assistente de vídeo: VAR – Tecnologia no Futebol

O Árbitro Assistente de Vídeo desperta fúria e frustração em gerentes, jogadores e torcedores.

A transformação digital, impulsionada por desenvolvimentos em muitas áreas diferentes da tecnologia – da Internet das Coisas e tecnologia de nuvem a big data e inteligência artificial – agora afeta todas as partes de nossas vidas. Da medicina ao transporte, à forma como trabalhamos, a tecnologia está transformando a maneira como vivemos – e o mundo dos esportes não é diferente.

Confira depois: Melhores Gols do Internacional em 2020

significado de var

Seguindo os passos do Hawk-Eye no críquete e do Television Match Official (TMO) no rugby, o VAR ou o Video Assistant Referee está fazendo sucesso no futebol. Desde a sua primeira criação em 2016, o VAR está agora enraizado no esporte, com os clubes da Premier League votando por unanimidade em novembro de 2018 para introduzir o VAR na temporada 2019/20.

Com erros de arbitragem de alto perfil moldando a direção das partidas e torneios (lembra do gol anulado de Frank Lampard no confronto entre Inglaterra e Alemanha na Copa do Mundo?), talvez não seja surpreendente que haja um apetite por tecnologia no esporte. No entanto, a polêmica roubou as manchetes continuamente desde o início da temporada, com decisões inconsistentes – e o tempo que leva para tomá-las – gerando fúria e frustração em dirigentes, jogadores e torcedores, que muitas vezes ficam intrigados com a falta de informação no estádio.

Qual o significado de VAR? O que é?

Desde que o VAR, video assistant referee, foi introduzido, o Professional Game Match Officials Limited (PGMOL) registrou a precisão da tomada de decisões sobre gols, cartões vermelhos e pênaltis como um aumento de 82 por cento na temporada passada para mais de 90 por cento.

A maneira como o VAR funciona é que todas as câmeras de um estádio – geralmente entre 12 e 15 – transmitirão um feedback para a Sala de Operações de Vídeo. Eles então sinalizarão ao árbitro quando ele deve ser usado, e isso geralmente requer entre 30 e 40 segundos – o tempo que normalmente leva para reiniciar depois que um gol é marcado. Para garantir que o jogo não seja reiniciado à medida que uma revisão prossegue, o VAR só tem até a próxima vez que a bola sair de jogo para sinalizar ao árbitro, embora eles possam dizer para ele parar o jogo quando isso acontecer sair ou entrar em uma zona neutra.

O VAR não pode tomar decisões durante um jogo; ele apoia o árbitro no estádio, fornecendo-lhes análise de vídeo em tempo real usando a rede de câmeras, incluindo um software de modelagem 3D bastante avançado que pode verificar especificamente se um jogador está impedido ou não. Além disso, o sistema só deve ser acionado quando um árbitro errar algo que seja comprovadamente preto ou branco. A regra prática é essencialmente “se não está claro e óbvio, deixe” e “mínima interferência, máximo benefício”.

VAR o que é

A crítica

O potencial e os benefícios são amplamente aceitos, mas, vários meses após o início da temporada futebolística, é justo dizer que as notícias esportivas foram dominadas por manchetes lamentando as decisões do VAR. Embora seja consensual que a tecnologia reduz os erros, o que é de vital importância nas competições esportivas de alto rendimento da atualidade, também significa que um gol pode ser marcado, celebrado e depois anulado, o que significa que os espectadores no estádio não agem espontaneamente. Em vez de serem capazes de pular instantaneamente para cima e para baixo de alegria por sua equipe marcar um gol, eles têm que esperar pela tecnologia.

“O elemento humano do jogo é um componente crítico dele”, disse o executivo da Welsh Football Association, em relatório do The Guardian. “É a coisa que acabamos debatendo. Essa é a beleza do jogo e é o que mantém as pessoas conversando nos pubs depois. Eu estava preocupada que você terminasse em uma situação de interrupção em que você revisa todas as decisões e eu não veja isso como parte do jogo.”

Outra crítica é que existe uma falta de clareza fundamental. Na jornada, os torcedores de todo o país ficaram perplexos com o que o VAR está realmente verificando, para que serve o atraso e por que as decisões foram tomadas. No tênis, o árbitro, a multidão e o público da TV podem, em uníssono, ver o que está acontecendo em uma tela grande, e ninguém pode contestar a decisão. No rugby, as conversas entre o árbitro e o vídeo-árbitro são claras para que todos possam ouvir e, mais uma vez, todos confiam que o sistema está funcionando de forma eficiente.

Aceitar o erro humano ainda é um problema

Alguns apontam para falhas na tecnologia. No críquete, muitos especialistas questionaram a precisão do sistema Hawk-Eye, que se baseia em princípios de triangulação por meio de imagens visuais e dados transmitidos por câmeras de vídeo colocadas em vários locais e ângulos ao redor da área de jogo. Por exemplo, em uma partida das quartas de final no Indian Wells Masters 2009, Hawk-Eye capturou erroneamente o segundo quique da bola em vez do primeiro, resultando no julgamento errado da jogabilidade que acabou sendo anulado pelo juiz humano.

No entanto, os desafios da tecnologia simplesmente não existem no VAR. A tecnologia é ultraconfiável, até o momento, não houve problemas de latência entre o estádio em que a partida está sendo jogada e o estúdio VAR – com replays instantâneos e de vídeo disponíveis para os oficiais extras em tempo real.

 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo